Câncer: resultado de um jogo aleatório de sorte ou azar?




Câncer: resultado de um jogo aleatório de sorte ou azar?


Por Coluna NilCultura

Câncer é um dos diagnósticos mais temidos por todos no mundo de hoje. Significa ter que passar por um longo e difícil período em tratamento, que muitas vezes envolve extensas cirurgias, inúmeros tipos de medicamentos, além da radio ou da quimioterapia, que exigem muito do organismo de todos, por seus  inúmeros efeitos colaterais. Tudo isso para obter um resultado que nem sempre significa cura. Exige também, talvez mais que tudo, que se tenha nervos de aço e uma mente firme e forte o suficiente para passar por tudo isso da melhor forma possível. Não é fácil para ninguém.

 

Por isso, a prevenção de uma doença como o câncer faz parte do controle de saúde das pessoas. Exames que são capazes de detectá-lo o mais precocemente possível fazem parte de protocolos mundiais dos check ups rotineiramente indicados para todos.

 

Qual a causa do câncer? Quais fatores estão implicados na desorganização da multiplicação celular?

 

Neste exato momento, no mundo, há muitos e muitos pesquisadores, em todos os cantos do planeta, à busca destas respostas.

 

Sabe-se que fatores ambientais estão diretamente relacionados a alguns tipos de câncer. Tabagismo e câncer de pulmão, por exemplo. Não há dúvidas de que há uma clara relação de causa e efeito para a maioria das pessoas. Há exceções? Há quem fume e não tenha câncer de pulmão? Sim! Há quem não fume e também tenha câncer de pulmão? Sim! Por isso o câncer é uma doença que se diz multifatorial em suas causas. Depende da interação de várias condições.

 

Sabe-se também que os fatores hereditários são importantes na determinação de alguns tipos de câncer. A atriz Angelina Jolie fez mastectomia (retirou os seios) voluntariamente considerando seu risco hereditário de câncer de mama.

 

Há um fato novo. Na última semana, pesquisadores da conceituada Universidade John Hopkins dos Estados Unidos analisaram sequencias de DNA de 17 tipos de câncer em 69 países e concluíram que aproximadamente dois terços de todos os tipos de câncer são resultados de mutações aleatórias durante o processo de divisão celular.

 

O que isto quer dizer?

 

O seguinte: quando uma célula se multiplica, o seu DNA tem que se multiplicar, gerando 2 células idênticas. Pois bem: os pesquisadores descobriram que durante este processo de multiplicação pode acontecer uma mutação, ou seja,  um “erro” na formação do  DNA/”filho”, gerando células “defeituosas”. Na maior parte das vezes isso pode não ter significado algum. Mas em algumas situações, se esta mutação aconteceu em algum gene que regula a proliferação celular, este “erro” pode significar células com câncer.

 

Isso quer dizer que o câncer pode também ser consequência do “acaso”. Pessoas saudáveis, sem predisposição hereditária e que vivem em um ambiente “amigo”, alimentando-se saudavelmente e praticando exercícios físicos podem também aparecer com algum tipo de câncer.

Por conta disso vamos então deixar de ter um estilo de vida saudável?

 

Claro que não! Com a nossa hereditariedade pouco podemos fazer. Mas o estilo de vida e o ambiente que escolhemos viver depende de nós mesmos. Comer bem, não fumar, praticar exercícios físicos e dormir bem nos dá algo vital e essencialmente importante: qualidade de vida.

 

Qualidade de vida é primordial. Nos deixa mais fortes. Principalmente para enfrentar melhor as adversidades várias da vida, como o câncer.