Gestantes: usem camisinha! - Site Japeri Online
SETEMBRO AMARELO

Japeri

Participe do nosso grupo no
WhatsApp


Japeri
Japeri
Japeri
Japeri

Gestantes: usem camisinha!


Este alerta pode parecer um exagero. Mas é o que especialistas do mundo inteiro têm recomendado para as gestantes que têm parceiros que estiveram em áreas onde há zika circulando, após o relato divulgado pelo Centro de Controle de Doenças dos Estados Unidos (CDC) e do Serviço de Saúde de Dallas (DCHHS) do que seria o terceiro caso de transmissão sexual de zika. Vale lembrar que o zika está circulando em todo o território nacional.

Nos últimos dias a Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz) detectou o zika na saliva e também na urina de pessoas acometidas. Há formas de contágio por estas vias? Não há ainda nenhum relato. No entanto, a própria Fiocruz recomenda que as grávidas aumentem os cuidados.

Ante tantas e tão rápidas informações que se avolumam a cada dia, é natural que todos fiquem com dúvidas. Em especial as gestantes que, além das dúvidas, também estão com medo. Vamos às perguntas mais frequentes e esclarecimentos mais importantes.

Estou grávida. Eu e meu companheiro estamos juntos há mais de 10 anos e somos totalmente fiéis um ao outro. Mesmo assim devo usar camisinha?

SIM. O seu parceiro pode ter adquirido o zika vírus pela picada do Aedes e é possível que o transmita a você na relação sexual. Por isso, o uso da camisinha é importante para proteger o filho de vocês.

– Devo usar a camisinha mesmo se o meu parceiro não tiver tido nenhum sintoma de zika, como febre e manchas vermelhas pelo corpo?

SIM. Lembrem-se de que o zika pode ser totalmente assintomático em até 80% dos casos. Isso significa que o Aedes contaminado pode ter picado seu parceiro, e o zika passou da corrente sanguínea para o sêmen, sem que ele tivesse apresentado nenhum sintoma. Na verdade, ele nem soube que isto aconteceu. Por isso, vale usar a camisinha.

– Até quando devo usar a camisinha? Até o bebê nascer?

SIM. Sabe-se que o zika causa as lesões no cérebro dos bebês, levando à microcefalia, nos primeiros meses de gestação. No entanto, como este ainda é um agente infeccioso que se está estudando agora, vale a cautela até o final.

– E depois que o bebê nascer? Se pegar o zika pode ter microcefalia?

NÃO. Se o seu bebê nasceu com o tamanho da cabeça normal, isto é, maior do que 32 cm, então não se preocupe. Sem nenhuma chance de microcefalia depois.

– Não estou grávida, mas quero engravidar e meu parceiro teve sintomas de zika. Até quando devo esperar?

Os especialistas recomendam que os homens que tiveram sintomas de zika devem usar camisinha por um período de até 6 meses.

E se ele não teve sintomas do zika? Posso engravidar agora ou espero um pouco?

Com o relato da possibilidade da transmissão sexual do zika, as autoridades britânicas recomendam que homens que cheguem de áreas de risco (Brasil, por exemplo) e que não apresentaram nenhum sintoma de zika usem camisinha com suas parceiras por até 28 dias. Quem teve sintomas do zika deve usar camisinha por 6 meses. Autoridades e especialistas brasileiros, por sua vez, estão recomendando o adiamento da gestação, sempre que possível, até que estudos científicos nos esclareçam mais.

O zika também foi detectado na urina e na saliva. Estou grávida e fiquei apavorada. Há formas de transmissão por estas vias?

Não há, no mundo, nenhuma descrição de transmissão do zika por estas vias. Mas, como o vírus foi isolado na urina e saliva em sua forma ativa, isto é, com potencial para provocar infecção, especialistas recomendam cautela e não entendem como orientação exagerada que as gestantes, especialmente no início da gestação, evitem locais excessivamente aglomerados e evitem também compartilhar copos e talheres.

– Isso tudo não é um exagero? Compartilhar copos, talheres, usar camisinha com o parceiro de anos… parece demais, não é mesmo?

Vamos avaliar. Pesquisadores e especialistas estão avidamente buscando informações sobre o vírus da zika. Todo este esforço para que as gestantes corram o menor risco de adquirir um vírus que pode, para sempre, lesar o sistema nervoso central de um bebê intraútero e comprometer irreversivelmente sua vida e a vida de toda a família. Isso é muito sério. É definitivo na vida de uma pessoa. Por isso, não custa pecar pelo exagero, até que estudos científicos nos informem com segurança quais são as orientações efetivas para se evitar lesões nos bebês.

Pode ser que num futuro próximo estas medidas sejam consideradas excessivas e sem propósito. Mas o conhecimento de que dispomos no momento é esse. Por isso, todo esforço vale a pena. É o destino de uma vida e de uma família que estão em jogo.

Fonte: http://g1.globo.com/bemestar/blog/doutora-ana-responde/





Parceiros




  • Open chat